Você começou a ler este post no Instagram..

Só pra começar ….o  minimalismo no guarda roupa, este da década de 90, não chega à joalheria nas próximas estações .

As marcas  parecem evitá-lo em favor de uma monumentalidade que se estende nestes acessórios.

Tanto aos brincos, quanto aos colares e pulseiras de ouro amarelo, ouro branco e pedras preciosas coloridas.

Estamos vivendo um verdadeiro retorno da moda do ouro amarelo e gemas coloridas, algo que a , Maison Chaumet confirmou como “um gosto pelo vintage” e “sua imagem de poder que ele traz”.

Portanto, não é estranho que, pelas diferentes marcas que vimos nas  passarelas, eles decidiram dar aos metais dourados, mais destaque  que  nos últimos tempos.

Valentino é uma das casas que a materializou, pois todos os acessórios XL  ao lado do prêt-à-porter, destilaram aquela aura dourada em brincos e colares numa moda de luxo e poder .

Presente nas apostas de Chloé ,Jil Sander, Alberta Ferretti, vemos com uma reinvenção da clássica argola e muito uso de gemas azuis .

Novos materiais:

Na realidade eles não podem ser considerados absolutamente novos, mas sua introdução é consistente o suficiente para obscurecer (um pouco mais) as fronteiras tradicionais entre joias e bijou.

Dessa forma, cerâmica, resina,acrílico , vidro e outros elementos são transformados para serem cobertos com uma aura especial que os afasta do look de moda só casual.

Vimos  os brincos redondos e translúcidos de Nina Ricci e o boho de Stella McCartney, que também adicionam de maneira eficaz (e não apenas comunicativa) a  conversa onipresente e sustentável na indústria das jóias.

Até pq estas também precisam  rever a extração de metais e gemas da natureza e elevando a Luxo, materiais até então fora deste mercado.

Mas não há duvida que nos novos tempos , a palavra de ordem é shine baby, brilhe, e brilhe muito!!!!